Em Julho, o movimento de contentores nos portos do Continente voltou a crescer, mas em Lisboa afundou 29,5%, divulgou a AMT.

Lisboa contrariou recuperação do movimento de contentores

O regresso à tona de água deveu-se sobretudo a Sines,, que no mês sete avançou 14,9% em termos homólogos e contou 155 542 TEU, 57% do total nacional. O porto alentejano parece confirmar, assim, a recuperação que encetou no segundo trimestre, depois de um arranque de ano penalizado pela comparação com um excepcional início de 2017.

A subir esteve também Setúbal, com um ganho de 10% e um total de 13 941 TEU.

Somando todos os portos, em Julho movimentaram-se 259 379 TEU, mais 2,3% do que há um ano. E o resultado não foi melhor porque Lisboa caiu 29,5% e ficou-se nos 34 279 TEU e Leixões cedeu 0,7% e contou apenas 54 018. Pela Figueira da Foz passaram 1 599 TEU (menos 35,8%).

Só Leixões cresce até Julho

Julho pode ter sido positivo, mas o acumulado dos sete meses continua no vermelho. Os 1,7 milhões de TEU registados ficam 5,6% aquém do registado há um ano.

Leixões é mesmo o único porto a crescer: 1% para 367 678 TEU. Sines, apesar do forte ganho do último mês, ainda recua 7,5%, com 981 516 TEU. E Lisboa agravou as perdas para 7,5%, com 268 081 TEU.

Noutra dimensão, Setúbal conta 89 919 TU (menos 1,8%) e a Figueira da Foz 11 706 (-17,1%).

 

Este artigo tem1 comentário

  1. É inaceitável a incompetência do 1º MINISTRO ANTÓNIO COSTA E DA SUA MINISTRA DO MAR ANA PAULA VITORINO, a geringonça passa por destruir valor económico no porto, no aeroporto e na ferrovia da nossa capital Lisboa, é isto a desgovernação de Portugal !!!

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*