A construção da segunda linha de Alta Velocidade (HS2) no Reino Unido, que deveria ligar Londres ao Norte do país, está em ponto-morto.

O governo do conservador Boris Johnson ordenou a revisão de todo o programa de Alta Velocidade porque os custos esperados aumentaram de 56 mil milhões de libras (63 mil milhões de euros), em 2015, para até 88 mil milhões de libras (99 mil milhões de euros), a preços de 2019. Uma decisão final sobre o projecto deverá ser tomada antes do Natal.

O problema não é, porém, apenas a derrapagem orçamental. Por detrás das controvérsias sobre o projecto High Speed Two (HS2) há também uma luta política (a nova linha é detestada por uma minoria sólida de eleitores conservadores afectados pelas expropriações), as divergências entre o Norte pobre e o Sul rico, protestos ambientais, a falta de um sistema de debate público nos projectos de grandes infra-estruturas e a suspeita de que o primeiro erro tenha sido a ambição de viajar a 400 km/h, em vez dos mais baratos 360 km/h.

Atraso ou… anulamento

O projecto de uma segunda linha de segunda linha de Alta Velocidade no Reino Unido foi anunciado em 2010.

Os objectivos então anunciados eram, em primeiro, ligar Londres com Birmingham e, depois, a Manchester e Leeds. Mais tarde, essa linha deveria conectar-se à Escócia e a uma nova rede, chamada de Northern Powerhouse Rail, que prevê a ligação de Liverpool a Hull e Newcastle, atravessando o Norte da Inglaterra de Oeste para Leste.

Esse último projecto, com conclusão prevista para 2050, é considerado vital para o desenvolvimento do Norte do Reino Unido, mas tem poucas hipóteses de sair do papel caso o HS2 acabe por “descarrilar”.

Mesmo que a Alta Velocidade não seja abandonada, esta suspensão do projecto HS2 será, no mínimo, sinónimo de adiamento entre cinco e sete anos. Isso significa que o troço Londres-Birmingham não estará operacional antes de 2028-2031 e as ligações a Manchester e Leeds entre 2033 e 2040.

Actualmente, a única linha de Alta Velocidade britânica liga Londres ao túnel da Mancha.

 

Comments are closed.