As taxas aeroportuárias cobradas pela espanhola Aena terão de baixar 11% nos próximos cinco anos, a uma cadência média anual de 2,2%, de acordo com o DORA (Documento de Regulação Aeroportuária) que o governo espanhol aprovará sexta-feira em Conselho de Ministros.

Aena

A baixa das taxas aeroportuárias, válida para o período 2017-2017, de 2,2% ao ano vai além do proposto pela Comissão Nacional dos Mercados e da Concorrência (CNMC), que apontava para os 2%/ano, mas fica ainda abaixo do pretendido pelas companhias aéreas, que reclamavam 2,59% anual.

A gestora aeroportuária tinha proposto congelar as taxas.

Apesar da redução imposta pelo governo espanhol, a Aena fica obrigada a investir mais de dois milhões de euros nos aeroportos do país vizinho nos próximos cinco anos.

No ano passado, a Aena contabilizou 230 milhões de passageiros na sua rede e espera crescer 11%, para 240,35 milhões, até 2021. O aumento do número de passageiros é um dos factores tidos em conta na fixação das taxas aeroportuárias.

 

 

Os comentários estão encerrados.