Os primeiros navios de 18 000 TEU da Maersk começarão a operar em 2013. Servirão entre a Ásia e a Europa e escalarão apenas uns sete portos. Veja aqui uma antevisão dos novos “gigantes” dos mares.

Eivind Kolding, CEO da Maersk Line, confirmou o acordo com a Daewoo Shipbuilding para a construção de dez navios de 18 000 TEU, com opção para até mais 20. Cada navio custará cerca de 190 milhões de dólares, o que poderá elevar o valor do negócio até aos 5,4 mil milhões de dólares.

Kolding estima que o tráfego de contentores crescerá a um ritmo médio de 5% a 8% ao ano, garantir a ocupação da capacidade dos novos navios.

Os navios de 18 mil TEU deverão escalar apenas quatro portos na Ásia e três na Europa: Roterdão, Felixtowe e Bremerhaven, acrescentou.

De qualquer modo, defendeu, a utilização deste “Triple-E”, como foram já baptizados, não deverá levar a um aumento do transhipment, sustentou o CEO da Maersk Line, lembrando que continuará a haver muitos navios de menores dimensões a oferecer serviços directos entre a Ásia e a Europa.

Uma vez mais, os novos navios da Maersk Line não se distinguirão apenas pelo seu gigantismo. Segundo Kolding, os “Triple-E” emitirão 50% menos CO2 que a média dos navios que operam no Ásia-Europa (e menos 20% que o Emma Maersk). Além disso, reduzirão o custo de transporte entre 20% a 30% por contentor.

Os novos porta-contentores da Maersk Line terão um comprimento de 400 metros e 59 metros de largura. Apenas mais quatro metros de comprimento e três de largura que o Emma Maersk. O suficiente para transportar mais 16% de contentores, dispostos em 23 filas (e não 22). A velocidade comercial rondará os 19 nós.

Os primeiros dez navios serão entregues entre 2013 e 2015. Kolding considera provável a encomenda de outros dez, mostrando-se mais cauteloso sobre a última dezena ainda prevista na opção.

Os comentários estão encerrados.