A Maersk Line e a Daewoo Shipbuilding terão já fechado uma encomenda de dez navios porta-contentores de 18 000 TEU, e estarão a negociar outros tantos, mas o acordo só deverá ser anunciado na próxima semana.

A notícia do tão aguardado negócio foi avançada por uma fonte conhecedora do processo, que pediu o anonimato. Ambas as companhias envolvidas escusaram-se a comentar.

Os porta-contentores de 18 000 TEU serão de longe os maiores do mercado (a capacidade máxima actual excede em pouco os 14 000 TEU). A encomenda de dez unidades está avaliada em dois mil milhões de dólares. Caso se confirmem as outras dez, o negócio duplicará de valor, tornando-se o mais vultuoso de sempre. O recorde actual já pertence à Maersk.

Os novos navios confirmam a aposta da Maersk nos mega-carriers, uma opção que não colhe a unanimidade das opiniões dos analistas. Navios tão grandes só se justificarão nas linhas entre o Extremo Oriente e a Europa, assumindo que haverá cargas para os encher pelo tempo necessário para rendibilizar o investimento.

Por outro lado, com esta encomenda, a confirmar-se, o operador dinamarquês dá um “salto” importante em termos de capacidade, reforçando a liderança mundial e afastando-se da MSC.

Para a Daewoo este negócio representará, por si só, um terço ou mesmo dois terços dos seis mil milhões de dólares de encomendas que o estaleiro sul-coreano projectava atingir este ano.

Desde 1996, a Maersk construiu os seus maiores navios nos estaleiros do grupo em Odense (Dinamarca), mas recentemente decidiu abandonar essa actividade por não ser concorrencial com os estaleiros asiáticos.

 

 

Os comentários estão encerrados.