A Maersk Line tornou-se o primeiro operador mundial a dar o seu acordo à ideia de construir um canal entre o Pacífico e o Atlântico através da Nicarágua.

Citado pela “ShippingWatch”, o Head of Daily Operations da Maersk Line, Keith Svendsen, afirmou que “construit um canal da Nicarágua parece fazer sentido. O canal será projectado para servir os maiores navios, além do que permitirá poupar 800 quilómetro na viagem entre Nova Iorque e Los Angeles”.

“Em geral, apoiamos a melhoria das infra-estruturas”, acrescentou, lembrando que os maiores porta-contentores da actualidade não passam no canal do Panamá, nem passarão depois de concluídas as obras de alargamento.

Actualmente, o canal do Panamá só permite a passagem de navios de até 4 500 TEU. E depois de ampliado – as obras ficarão concluídas no início de 2016 – as eclusas apenas receberão navios de até 336 metros. Os Triple E têm 400 metros de comprimento e aguardam-se navios ainda maiores.

Tal como está previsto, o canal da Nicarágua terá o triplo da extensão do canal do Panamá mas poderá receber os maiores navios da actualidade. A sua construção está avaliada em 40 mil milhões de dólares a preços actuais. A iniciativa é de um homem de negócios chinês, que contará com o apoio de várias empresas estatais.

Comments are closed.