Maersk Line, MSC, CMA CGM, Safmarine, Hamburg Süd e PIL são suspeitas de práticas de cartelização na África do Sul.

porto-de-durban

A Comissão da Concorrência da África do Sul (CCAS) efectuou buscas às instalações das representações de seis companhias de transporte marítimo que operam na províncias do Cabo Oriental e do KwaZulu-Natal.

A autoridade da concorrência sul-africana tem suspeitas de que tenham levado a cabo “práticas colusivas para, nomeadamente, combinarem a sobretaxas para o transporte de mercadorias da Ásia para África, em violação da lei da concorrência”.

Das buscas resultou a apreensão, pela CCAS, de documentos e dados electrónicos.

“A África do Sul é um hub estratégico para o comércio de e para a África Austral. Qualquer cartelização pelas companhias marítimas nesta região resulta em inflacionamento dos preços do transporte de mercadorias. Cartéis desta natureza aumentam os custos das transacções comerciais e tornam a região menos competitiva nos mercados mundiais. Cartéis como estes têm um efeito de ‘descarrilamento’ no crescimento económico da região”, afirmou, citado em comunicado, o comissário da CCAS, Tembinkosi Bonakele.

A Maersk Line já emitiu um comunicado em que confirma as buscas. “O facto de inspecções como estas serem feitas não significa que uma companhia tenha tido comportamentos anti-concorrenciais, nem constitui juízo antecipado sobre o desfecho das investigações em si”, refere o comunicado da companhia dinamarquesa.

 

 

 

 

 

Comments are closed.