A Maersk Line prevê um cenário de fusões e aquisições entre as companhias de transporte marítimo de contentores.

Robbert van Trooijen, presidente da companhia para a região da América Latina e Caraíbas, afirmou, em declarações à “Efe”, que a empresa dinamarquesa “está bem”, mas que “o futuro será de consolidação no sector”, por tratar-se de uma “indústria muito dispersa, com muitos concorrentes”.

Van Trooijen disse ainda não esperar que, após sete anos de fortes perdas, o sector recupere na próxima década. Desde 2008, as perdas do transporte marítimo de contentores superaram os 20 mil milhões de euros, segundo o dirigente da Maersk Line.

O executivo holandês prevê que o transporte de contentores cresça 4% a 5% em 2015, quando antes de 2009 crescia a uma taxa de 10%. “O multiplicador era de 2,5 sobre o crescimento do PIB, agora é de um”, referiu.

A quota de mercado da Maersk Line na região da América Latina e Caraíbas é semelhante à que tem no mercado mundial: 14% a 15%. Segundo Robbert van Trooijen, 10% dos volumes de carga transportados pela Maersk Line em 2014 foram da responsabilidade da “sua” região.

A Maersk Line teve em 2014, a nível global, lucros de 2 341 milhões de dólares (2 229 milhões de euros), mais 821 milhões de dólares (782 milhões de euros) do que no ano anterior.

Os comentários estão encerrados.