A Maersk Line acredita que a rota Ásia-Europa pode recuperar os volumes transportados em 2016, após ter caído 4% em 2015 e apesar de já no primeiro trimestre deste ano ter registado uma descida de 6%.
Maersk

A companhia justifica sustentando que umas das principais razões para a queda dos volumes transportados na rota ao longo dos últimos 15 meses foi uma opção de descida dos volumes de stocks da parte dos retalhistas europeus, e que essa tendência será revertida no que falta de 2016.

“A indústria de retalho europeia passou boa parte do ano [passado] a reduzir stocks, mas os nossos economistas prevêem que haverá aumentos de stocks mais tarde este ano e pensamos que a rota pode muito bem recuperar mais do que já aconteceu este ano”, referiu o presidente-executivo para a Ásia da Maersk Line, Robert van Trooijen, na conferência TOC Asia Container Supply Chain, em Singapura.

“Vemos tendências positivas em 2016 e pensamos que pode surpreender-nos em termos de volumes no que falta do ano”, acrescentou.

O executivo salientou ainda que aquele crescimento deverá levar a um aumento nos preços médios dos fretes, que Robert van Trooijen considera serem “insustentáveis” no presente. Como resultado, a Maersk anunciou, terça-feira, um aumento de 550 dólares (485 euros) por TEU a partir de 1 de Maio.

 

Os comentários estão encerrados.