1. Um terminal em Famalicão e o regresso do “comboio da Autoeuropa” são dois dos principais projectos da Medway para o próximo ano.

Medway quer relançar o "comboio da Autoeuropa"

Os planos foram avançados por Carlos Vasconcelos, presidente da Medway, em entrevista ao “Dinheiro Vivo”.

O novo terminal nortenho localizar-se-á em Lousado, Famalicão, próximo de importantes unidades industriais como a Continental ou a Leica e próximo também do parque industrial de Ribeirão.

O investimento, que Carlos Vasconcelos quantifica em25 milhões de euros, está agora na fase de obtenção das necessárias autorizações e licenciamentos, devendo as obras avançar no início de 2019.

A reactivação do “comboio da Autoeuropa” é outro objectivo, mas por ora a Medway ainda está a tentar montar o plano de negócio, que será alavancado pelo transporte de componentes para a fábrica de Palmela mas que terá de agregar outros parceiros para equilibrar os fluxos entre Portugal e a Alemanha.

O “comboio da Autoeuropa”, na verdade um projecto da DB Schenker, foi lançado em 2012 mas suspenso pouco mais de um ano volvido, não por falta de cargas, mas pelas dificuldades em conseguir atravessar a França (numa mistura de greves dos ferroviários gauleses e de proteccionismo da SNCF).

Agora, Carlos Vasconcelos acredita que as coisas poderão ser diferentes, até porque existe uma gestão coordenada do Corredor Atlântico envolvendo Portugal, Espanha, França e Alemanha.

No imediato, a Medway continua a fazer o seu caminho, com o empresário a prever que possa chegar ao final do ano já com lucros.

Em Portugal, onde detém uma quota de mercado de 90%, a operadora não tem tido mãos a medir para responder à transferência de cargas entre portos por causa da greve dos estivadores. E em Espanha, sozinha ou com a Renfe, continua a replicar o modelo de negócio alavancado pelos tráfegos marítimos da MSC.

A Medway reclama, assim, uma quota de mercado ibérico de 25%, mas quer continuar a crescer, para o que aguarda “luz verde” do acionista suíço para um novo plano de investimentos.

 

 

Este artigo tem1 comentário

  1. este Senhor já é 1 “lenda da ferrovia nacional” por ter deixado 1 obra na ferrovia maior do que todos ministros transportes juntos, com mais planeamento e gestão !

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*