A Medway, sucessora da CP Carga, espera atingir o break-even operacional já este ano, adiantou Carlos Vasconcelos, administrador da empresa, em entrevista ao “Negócios”.

Carlos Vasconcelos, administrador da MSC Portugal.

Sem detalhar, o homem forte da MSC em Portugal disse que no ano passado a operadora ferroviária reduziu os prejuízos para dois milhões de euros, em comparação com os 11 milhões negativos apurados em 2015.

“Este ano gostaríamos de atingir o break even”, afirmou o empresário, garantindo, porém, que o grupo “não tem pressas”. “A empresa está estabilizada, está dentro do orçamento e dos objectivos que traçámos”,garantiu.

A MSC Rail, detida a 100% pelo grupo helvético, ganhou a privatização da CP Carga em 2015 e assumiu a gestão da empresa precisamente a 1 de Janeiro de 2016, depois de um investimento de 53 milhões de euros.

No que toca a investimentos, a Medway contratou recentemente, por 15 milhões de euros, quatro locomotivas interoperáveis Vossloh/Stadler, que deverão iniciar o serviço a 1 de Setembro e com as quais Carlos Vasconcelos se propõe atacar o mercado espanhol.

Na lista de projectos para o futuro avulta o lançamento de serviços de transporte de camiões, semi-reboques ou caixas móveis, numa lógica de complementaridade operacional com o transporte rodoviário, em nome da economia, do ambiente e da segurança.

Note-se que a Medway marca a entrada directa da MSC no transporte ferroviário de mercadorias à escala mundial.

 

 

 

Comments are closed.