A Medway acordou com a EMEF e a CP a cedência “por três anos” das instalações onde é feita a manutenção do material circulante da operadora privada, adiantou Carlos Vasconcelos ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS.

Frustrada a intenção de constituir um ACE com a EMEF para a manutenção e reparação das suas locomotivas e vagões, a Medway avança com o processo de internalização daquela actividade.

A operadora ferroviária anunciou em comunicado a celebração de um contrato de concessão e exploração das instalações onde já são efectuadas as operações de manutenção do seu material circulante. Ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS, o líder da empresa precisou que as instalações em causa, pertença da EMEF e da CP EPE, localizam-se “no Entroncamento e no Poceirão”.

Com instalações mas ainda sem pessoal próprio, a Medway irá, no imediato, “contratar serviços, pessoal à EMEF”, e entretanto “começámos um processo de recrutamento de 50 pessoas (para já)”, referiu Carlos Vasconcelos.

Para já, a nova unidade de negócio (Medway M&R) trabalhará em exclusivo para a transportadora de mercadorias, mas a hipótese de trabalhar também para o mercado não está excluída.

O contrato de concessão e exploração das instalações da EMEF/CP é válido por três anos. Depois, mantém-se a intenção, a Medway M&R deverá assentar arraiais nas instalações da MSC Entroncamento, beneficiando da transferência da actual plataforma logística ali a operar para o vizinho TVT, entretato adquirido ao Grupo Lena.

Tags:

This article has 1 comment

  1. luís pereira

    Assim se vê a diferença de competência entre a gestão do MINISTRO PEDRO MARQUES DA GERINGONÇA E MEDWAY DE CARLOS VASCONCELOS, em 3 dias o impossível passa a possível, aprenda ANTÓNIO COSTA