O mercado nacional de camiões cresceu 30,7% no ano passado. A Mercedes foi a marca mais vendida, mercê de um sprint em Dezembro. Em 2014, venderam-se em Portugal 3 216 pesados de mercadorias, número que compara com os 2 392 de 2013.

A Mercedes liderou as vendas, com 551 matrículas (mais 23,5% em termos homólogos), que lhe garantiram uma quota de mercado de 17,6% (ainda assim, inferior aos 18,7% de 2013). Uma vitória arrancada a ferros, em Dezembro, quando a marca da estrela de três pontas cresceu 148% e registou 154 veículos.

A Volvo, que liderou o mercado até à entrada do último mês, não logrou renovar o triunfo de 2013. Em Dezembro matriculou 63 camiões (menos 54,7%) e com isso ficou-se no final do ano pelos 478 registos. Um ganho homólogo de 2,1% que não evitou uma perda de quota de mercado, de 19,6% para 15,3%.

Excepcional foi o desempenho da Scania. Apesar de actuar apenas na gama alta, a marca sueca logrou atingir o terceiro lugar do pódio, com uma quota de mercado de 13,6% (10,7% em 2013), correspondente a 425 matrículas (mais 66%).

A disputa entre a Iveco e a MAN pelo quarto lugar do ranking nacional acabou por pender para a marca italiana, no último mês do ano e por escassa margem. A Iveco registou 396 pesados (mais 90,4%), contra os 393 (mais 29,3%) da MAN.

Entre as principais marcas, a Renault Trucks foi a única a baixar as vendas face a 2013. Caiu 16,5% para as 319 matrículas. A DAF, ao invés, foi das marcas que mais cresceu (83,8%), tendo chegado aos 239 registos. E o mesmo aconteceu com a Mitsubishi, com 183 matrículas (mais 68,7%).

Em Dezembro, o mercado português de camiões regrediu 21,3% em termos homólogos, tendo sido registados 407 pesados de mercadorias.

 

Tags:

Os comentários estão encerrados.