O processo de homologação do eco-picker, o vagão português concebido para transportar camiões, deverá ficar concluído “dentro de uns três meses”, adiantou ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS o director-geral da Metalsines.

A partir daí, cerca de “Março ou Abril, poderemos iniciar a comercialização”, acrescentou Luís Silva Santos. “Há já empresas interessadas”, garantiu aquele responsável, citando casos em “Espanha, Alemanha, Suíça, Suécia, Polónia, ou Índia”. Nas duas últimas semanas, quadros da Metalsines estiveram precisamente “na Polónia e Suécia”, divulgando a proposta. Em perspectiva estará também a nomeação de agentes locais.

O eco-picker foi desenvolvido na Metalsines e apresentado à comunidade internacional na última Innotrans, em Berlim. O vagão português distingue-se, dizem os seus criadores, pela facilidade de operação e pelo custo mais baixo. Em termos simples, o vagão é constituído por uma plataforma e por dois boggies. Basta desatrelar um dos boggies e a plataforma pode baixar até ao solo, facilitando a entrada/saída do camião. Cerca de 30 segundos serão o tempo bastante para a operação.

No limite, o sistema dispensa um terminal específico para carga/descarga dos camiões, ou mesmo a existência de rampas. Basta que os carris estejam embutidos no solo na área de movimentação dos camiões.

O preço do vagão é outro trunfo em que a Metalsines aposta. O eco-pocker custará 130-140 mil euros, contra os cerca de 200 mil euros das tradicionais plataformas de transporte de camiões ou semi-reboques.

O transporte de camiões ou semi-reboques em comboios (“ferroutage”) é cada vez mais frequente na Europa. Ainda há dias, a operadora russa RZD apresentou o seu próprio vagão, com o qual pretende desenvolver serviços nos países vizinhos. Luís Silva Santos conhece a proposta a diz que não representa concorrência.

“O vagão russo não é mais do que uma plataforma convencional”, afirmou ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS. E reforçou: “tem obviamente os dois “velhos” problemas já conhecidos: como colocar os camiões lá em cima (necessitará de um pórtico) e a altura total do conjunto (gabarit)”.

 

Comments are closed.