A ministra  mudou o local e a hora da reunião com os sindicatos de Leixões e o SEAL. Os de Leixões compareceram, o SEAL não e criticou a ministra e os parceiros nortenhos.

Reunião da ministra do Mar com os estivadores sobre Leixões não se realizou

A reunião estava para acontecer ao final da tarde na APDL e o sindicato dos estivadores de Leixões já tinha dito que não compareceria, por causa da presença do SEAL.

Por causa da agenda, a ministra do Mar acabou por antecipá-la para as 16 horas e mudá-la para Lisboa. E, afinal, quem faltou foi o SEAL, alegadamente por não ter tido tempo para deslocar para a capital os responsáveis que estavam… em Leixões.

Ana Paula Vitorino acabou, assim, por reunir, separadamente, com o “Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Administrações Portuárias [e com] os dirigentes do Sindicato dos Estivadores e Conferentes de Tráfego dos Portos do Douro e Leixões”, divulgou o seu gabinete em comunicado.

Em ambos os encontros,em que também participaram os administradores da APDL, “foram analisadas as alegadas situações de discriminação laboral que têm ocorrido no Porto de Leixões”.

Não foram adiantados resultados dos encontros.

SEAL critica ministra e sindicato de Leixões

Em comunicado, o SEAL “2lamenta que o Ministério do Mar não tenha sido capaz de reunir condições para a realização da reunião ” e estranha a mudança intempestiva de local e hora, “curiosamente poucas horas depois de o Sindicato de Leixões se ter recusado a comparecer na reunião inicialmente agendada”.

“Se a reunião não perdeu a razão de ser pela auto-exclusão do Sindicato de Leixões, ficamos por saber que razões levaram a Ministra a alterar o palco da reunião”, reforça.

A posição dos estivadores de Leixões é também criticada, lembrando o SEAL as recentes declarações do presidente do sindicato nortenho, Arisitides Peixoto, na Assembleia da República, quando disse que “o seu sindicato “defende e promove a livre filiação, e não acredita em monopólios sindicais”, que “os trabalhadores é que definem se querem ou não monopólios” e que os trabalhadores representados pelo sindicato local “não querem uma unicidade sindical””.

O sindicato liderado por António Mariano justifica a falta de presença na reunião de Lisboa, “posto que o nosso consultor jurídico e os nossos delegados sindicais em Leixões se encontravam no Porto para estarem presentes na reunião agendada inicialmente, e que não tinham qualquer possibilidade de se deslocarem a Lisboa” em tempo útil.

Ainda assim, o SEAL reafirma a sua disponibilidade para o reagendamento da reunião,  “de preferência nos moldes em que foi inicialmente promovida pela Sr.ª Ministra”, algures “entre o dia 22 e o dia 30” deste mês, “nas instalações da APDL ou, em alternativa, na delegação do SEAL, em Matosinhos”.

O comunicado do gabinete de Ana Paula Vitorino refere o reagendamento da visita aos terminais de Leixões para a próxima quarta-feira, mas não indica a realização de novas reuniões com os sindicatos, antes afirmando que as reuniões com os dirigentes sindicais decorreram em Lisboa “exactamente nos mesmos moldes inicialmente previstos para o Porto de Leixões”.

N.R. Actualiza e corrige o texto publicado inicialmente.

» Estivadores de Leixões recusam reunião com o SEAL

Os comentários estão encerrados.