Moçambique pretende expandir a rede de portos secos associados aos portos marítimos em todo o país, afirmou recentemente em Nampula o ministro dos Transportes e Comunicações.

Gabriel Muthisse justificou afirmando que os portos secos são importantes no contexto da competitividade e da eficiência que se pretende para os portos marítimos, pois apenas dessa forma “Moçambique pode constituir-se numa referência de destaque no contexto regional e continental”.

Moçambique conta actualmente com apenas dois portos secos, nas cidades da Beira e de Nacala, que funcionam ao abrigo de um quadro legal que carece de regulamentação.

O ministro moçambicano reconheceu, no entanto, que o valor dos negócios efectuados, quer no porto seco de Nacala quer no da Beira, está longe de corresponder às expectativas que nortearam o seu estabelecimento.

Os portos moçambicanos debatem-se, na sua maioria, com a exiguidade de espaços para acomodar as mercadorias, facto que tem levantado protestos por parte dos utilizadores que alegam morosidade, sobretudo para o desembaraço das mercadorias (uma vez que a exiguidade de espaços condiciona o descarregamento dos navios).

Comments are closed.