A Mota-Engil vai construir um porto seco em Liwonde, no sul do Malawi, que funcionará como retaguarda do porto moçambicano de Nacala.

Mota-Engil  - Malawi

O contrato, no valor de 200 milhões de dólares, foi anunciado pelo ministro dos Transportes e Obras Públicas do Malawi.

Francis Kasaila, citado pela imprensa local, disse que o porto seco terá um impacto significativo no sector dos transportes do país, destacando também a sua importância para a criação de postos de trabalho, durante a construção e depois com a sua operação.

“O porto seco, obra agora adjudicada ao grupo português, permitirá reduzir em cerca de 60% os custos com transporte de mercadorias descarregadas no porto de Nacala, província do norte de Moçambique”, disse o ministro.

O porto seco de Liwonde disporá de boas acessibilidades ferroviárias, quer na ligação ao porto de Nacala, quer na ligação à rede ferroviária nacional do Malawi. A ideia é, como sempre, concentrar ali as operações de concentração/distribuição das mercadorias de exportação ou de importação, o que permitirá utilizar mais a ferrovia no transporte de grandes volumes em longas distâncias.

O grupo Mota-Engil tem já uma vasta experiência no Malawi. Nomeadamente, explora os serviços de transporte no lago Malawi e construiu a ligação ferroviária das minas de Moatize (Moçambique) ao Corredor de Nacala, em território do Malawi.

Comments are closed.