A MSC estará a transferir navios de 13 000 TEU do Ásia-Norte para o Himalaya Express (Europa-Médio Oriente/Sul da Ásia), que na próxima semana passará a escalar Sines. A Drewry avisa para os riscos do alastramento da sobrecapacidade.

MSC Cristina

Depois de ter imobilizado dois navios de 19 000 TEU, por falta de cargas, a MSC estará a fazer a cascata de outros navios de grandes dimensões para o Europa-Médio Oriente/Sul da Ásia, que continua a crescer bem.

De acordo com a Drewry Consultants, a companhia suíça vai alinhar no Himalaya Express os navios de 13 102 TEU MSC Cristina e MSC Maria Saveria e as embarcações de 11 660 TEU MSC Luciana e MSC Sola.

Curiosamente, este serviço tem prevista para o próximo dia 20 a primeira escala no Terninal XXI de Sines. A rotação completa é a seguinte: Sines, Gioia Tauro, Suez, King Abdullah Port, Colombo, Nhava Sheva, Mundra, King Abdullah Port, Suez, Gioia Tauro, Felixstowe, Hamburgo, Antuérpia, Le Havre, Sines.

Em contraste com a retracção do Ásia-Europa, o Europa-Médio Oriente/Sul da Ásia cresceu 5,3%, em Fevereiero, em volumes, no sentido westbound, 12,7% entre o Médio Oriente e a Europa e 13,4% a partir da Ásia.

Drewry avisa para a ameaça da sobrecapacidade

O sentimento positivo do mercado tem motivado outras companhias a alinharem no serviço navios de maiores dimensões, o que encerra o risco de sobrecapacidade, avisa a Drewry.

A Hapag-Lloyd e a Hamburg Süd substituiram os seus navios de 5 900/6 000 TEU por outros de 7 300/9 000 TEU. E a CMA CGM e a UASC lançaram mesmo  um novo serviço.

Com isto, o aumento de oferta de capacidade tem sido superior ao dos volumes transportados. No sentido westbound, a capacidade aumentou 17,6% em Março. Já no eastbound o crescimento foi de 14,8% a partir do Médio Oriente e de 9,7% desde o Sul da Ásia.

E agora dar-se-á a entrada dos “gigantes” da MSC. Razão por que a Drewry avisa que já há motivo para que “soem os alarmes” da sobrecapacidade na rota.

 

Tags:

Os comentários estão encerrados.