Pela primeira vez, navios de 14 000 TEU vão operar fora do Ásia-Europa. A iniciativa é da CMA CGM, CSCL e UASC que decidiram unir forças no tráfego entre a Ásia e o Médio Oriente.

O novo serviço tripartido arranca depois de amanhã. Será assegurado por sete navios: um de 12 500 TEU da CMA CGM, três de 13 000 TEU da UAC e três da CSCL de 14 400 TEU. Mas os promotores garantem que não haverá um aumento na oferta de capacidade.

Substituirá o serviço conjunto operado conjuntamente pela CMA CGM e pela CSCL, e que era operado com navios de 8 500 TEU; e ainda o serviço da UASC, que empregava navios de 3 600 TEU.

A nova rotação será a seguinte: Tianjin, Dalian, Pusan, Xangai, Ningbo, Shekou, Port Klang, Khorfakkan, Jebel Ali, Port Klang, Nansha e regresso a Tianjin.

A colocação de navios de 14 000 TEU no tráfego Ásia-Médio Oriente é resultado do dinamismo daquela linha, mas também, ou sobretudo, espelha a dificuldade dos armadores e operadores em acomodarem mais megacarriers no deprimido tráfego entre a Ásia e o Norte da Europa.

O efeito de cascata poderá agravar-se ao longo do ano corrente, com a esperada entrada ao serviço de dezenas de navios de +10 000 TEU. A menos que os armadores e operadores optem por uma política agressiva de imobilização de navios, tal como vêm sugerindo diversos analistas.

Comments are closed.