O novo terminal de carvão do porto da Beira deverá estar operacional a partir de 2015, disse o presidente da empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM).

O actual terminal beneficiou de obras de recuperação, que ficaram concluídas em Agosto do ano passado, entre elas uma dragagem de emergência, em que foram despendidas 43 milhões de dólares, e que permitiu que o porto passasse a receber 24 horas por dia navios de até 60 mil toneladas brutas de arqueação (DWT), quando anteriormente apenas podia acolher navios de menos de 30 mil DWT.

Em declarações à revista moçambicana “Xitimela”, o presidente da compannhia estatal CFM lembrou que a conclusão da reconstrução da linha de caminho de ferro do Sena permitirá “o aumento do volume anual de cargas a processar no porto da Beira até aos 20 milhões de toneladas por ano, principalmente com a exportação do carvão de Moatize”.

As empresas mineiras Vale Moçambique e Riversdale Mining (entretantoadquirida pelo grupo Rio Tinto) assinaram em 2010 um memorando de entendimento com a CFM, a fim de recuperar temporariamente o terminal existente no porto da Beira para o embarque do carvão de Moatize.

As duas empresas foram dotadas de capacidade de processamento e embarque de cinco milhões de toneladas de carvão por ano. A Vale Moçambique detém hoje 68% da capacidade útil do terminal, e a Rio Tinto os restantes 32%.

Comments are closed.