ETE, Yilport e TMB estão disponíveis para contratar 80 estivadores em Lisboa, preferentemente da A-ETPL. Mantêm as condições e pagam os atrasados.

Estivadores da A-ETPL estão em greve total

No segundo dia da greve total dos estivadores do porto de Lisboa, em protesto também contra a insolvência da A-ETPL, a Associação de Operadores do Porto de Lisboa (AOPL) comunicou que os seus associados estão a contratar 80 estivadores, dando preferência aos trabalhadores da empresa de trabalho portuário insolvente, antes de irem ao mercado.

Segundo o comunicado “o Grupo ETE convidou 14 trabalhadores para integrarem o quadro de pessoal privativo das suas empresas, e informou da sua disponibilidade para contratar mais 27 trabalhadores aquando da entrada em funcionamento da sua Empresa de Trabalho Portuário (a ETP Prime)”

Já o “Grupo TMB convidou 4 trabalhadores para integrarem o quadro de pessoal privativo da sua empresa e 5 para
integrarem outra empresa de trabalho portuário do Porto de Lisboa (a Porlis), num total de 9 trabalhadores,”.

Igualmente, “o Grupo Yilport convidou 30 trabalhadores para integrarem o quadro efectivo de outra empresa de trabalho portuário do Porto de Lisboa (a Porlis)”, refere ainda o texto.

Os três grupos propõem-se manter as “actuais condições remuneratórias, antiguidade e categoria profissional” dos estivadores a contratar, “pretendendo assegurar todas as remunerações em atraso”, realça a AOPL.

No total estão em causa 80 postos de trabalho. E o comunicado deixa o aviso:

“Caso os trabalhadores da empresa de trabalho portuário de Lisboa que se encontra insolvente (a A-ETPL) se
continuarem a mostrar indisponíveis, as associadas da AOPL ver-se-ão obrigadas a recorrer ao mercado”.

Comments are closed.