Cumprida a “paralisação total” do porto de Setúbal, o sindicato dos estivadores espera agora que as próximas reuniões com os operadores portuários para discutir a revisão do CCT tragam mais mais novidades.

“Esta jornada de luta era para expor a precariedade extrema que se vive neste porto [Setúbal] e isso foi conseguido com a paragem de 24 horas. Todos os trabalhadores respeitaram a decisão e o porto esteve completamente parado. Foi o nosso principal objetivo e isso foi plenamente conseguido”, comentou à “Lusa”  o presidente do Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística (SEAL).

António Mariano sublinhou que, após a paralisação das últimas 24 horas, o sindicato espera que a próxima reunião com as entidades empregadoras [Anesul e AOP] – provavelmente no próximo dia 12 de Junho – venha a alcançar resultados.

“Esperemos que nas reuniões que já estão marcadas para continuar o processo de contrato colectivo seja possível chegar a resultados que também resolvam a questão da precariedade de uma vez por todas”, disse.

Segundo o dirigente sindical o porto de Setúbal “está neste momento a operar”.

» SEAL: Greve dos estivadores paralisa porto de Setúbal

Os comentários estão encerrados.