A Operestiva e a Autoeuropa estão a preparar um plano para a exportação até ao final do ano das  22 000 viaturas acumuladas durante a greve dos estivadores de Setúbal.

Operestiva quer embarcar até ao final do ano todos os carros acumulados

“Esperamos que a partir da próxima segunda-feira já seja possível carregar o primeiro navio com automóveis produzidos na fábrica de Palmela”, disse à “Lusa” o gerente da Operestiva, Diogo Marecos, pouco depois de ter sido firmado o acordo entre o SEAL e os operadores portuários que pôs termo à paralisação do porto de Setúbal.

“É provável que até ao final do ano seja possível assegurar o transporte das 22 000 viaturas, que representam cerca de 300 milhões de euros, e que têm um grande impacto tanto para a Autoeuropa como para as exportações portuguesas”, acrescentou o gerente da Operestiva.

Questionado sobre o acordo hoje assinado com o sindicatos dos estivadores, que prevê a integração de 56 trabalhadores precários como efectivos, Diogo Marecos adiantou que 48 vão ficar na Operestiva e oito na
Setulsete.

“Se for possível garantir o regresso de todos os armadores que manifestaram a intenção de deixar o Porto de Setúbal, e se o porto voltar a ter uma boa situação como em 2017, acreditamos que daqui a alguns meses, depois de negociarmos o Contrato Colectivo de Trabalho, poderemos integrar mais 10 a 37 trabalhadores”, disse Diogo Marecos.

“Um dos armadores das linhas de contentores que manifestaram a intenção de abandonar o Porto de Setúbal está muito reticente em regressar, mas estamos a trabalhar para que todos regressem”, acrescentou o responsável da Operestiva, congratulando-se com o acordo alcançado para a normalização da actividade portuária em Setúbal.

Contactada pela “Lusa”, a administração da Autoeuropa também se congratulou com o acordo alcançado hoje, sob mediação do Governo.

“A Autoeuropa congratula-se com o sucesso do acordo para o Porto de Setúbal e agradece o empenho do Governo, bem como dos operadores portuários e do sindicato dos estivadores”, disse fonte oficial da empresa.

 

This article has 2 comments

  1. Só lamento não se divulgar quais os interesses por de trás deste sindicato,agradeço o auto retrato dos seus dirigentes

  2. Portugal não foge à regra do mundo, quando esquerdas destroem depois vem a direita reconstruir, já foi assim depois do Sócrates o PSD + CDS levantou Portugal e agora depois dos estivadores levarem a AUTOEUROPA parar produção os operadores marítimos respondem no dia seguinte para aumentar as exportações nacionais !