A Pacific International Lines (PIL) será o próximo “candidato” na actual onda de consolidação no transporte marítimo de contentores, prevê a Alphaliner. A companhia de Singapura não comenta.

PIL

A Alphaliner sublinha que apenas quatro companhias de transporte independente de média dimensão ainda subsistem no mercado, cada uma com uma quota de apenas 1,5% a 2,8% da capacidade global.

No entanto, três dessas quatro – Yang Ming, Hyundai Merchant Marine e Zim – têm ligações aos respectivos governos (Taiwan, Singapura e Israel). Portanto, são alvos improváveis de aquisição ​​para compradores de fora dos seus países de origem. Além do que o estado de crise financeira dessas três transportadoras irá dissuadir ainda mais os potenciais compradores, observa a analista de mercado no seu mais recente relatório semanal.

A PIL destaca-se, por isso, como o “único candidato livre”. Além disso, a sua posição de nicho, em particular nas operações relacionadas com África, poderia tornar a companhia “um alvo atraente” para os compradores interessados ​​em garantir o acesso a esse mercado emergente.

Fundada há 50 anos pela família Teo, a PIL teve de vender activos já este ano para liquidar compromissos. A companhia tem novo reembolso de obrigações agendado para Novembro de 2018. A dívida ascende a 2,6 mil milhões de dólares (2,25 mil milhões de euros).

A PIL tem laços estreitos com a Cosco, que a Alphaliner vê como a candidata mais provável a uma aquisição.

Comments are closed.