A determinação de Helsínquia em manter as actividades portuárias no centro da cidade valeu-lhe a atribuição do Prémio ESPO de 2011.

O prémio, instituído pela Organização Europeia de Portos Marítimos (ESPO na sigla inglesa), agora na sua segunda edição, visa distinguir a integração dos portos no meio envolvente.

O projecto de Helsínquia denominava-se precisamente “Porto como parte da cidade”. O júri valorizou igualmente a “o contínuo diálogo interactivo [do porto] com os stakeholders da comunidade local” e “os investimentos da autoridade portuária na electrificação da frente marítima, nas instalações de recolhas de resíduos e noutros modos de reduzir as externalidades”.

O porto de Ponta Delgada foi um dos candidatos escolhidos para a shortlist do Prémio ESPO com o projecto Porta do Atlântico, que junta as actividades marítimo-portuárias (terminal de cruzeiros) com valências comerciais e culturais.

Os outros candidatos foram os portos de Amesterdão, Antuérpia, Koper e Marselha.

No ano passado, na primeira edição do Prémio ESPO, o vencedor foi o porto de Gijon.

Para o ano haverá nova edição. Mas para facilitar a tarefa do júri, os projectos candidatos terão de obedecer a um tema específico, de âmbito mais restrito dentro do tema geral da integração dos portos no meio.

Os comentários estão encerrados.