Quase dois anos e 200 milhões de dólares depois, o porto da Beira (Moçambique) inaugurou hoje o novo terminal de carvão, para escoar a produção da Vale e da Rio Tinto.

O projecto de construção do terminal iniciou-se em Setembro de 2010. O terminal foi construído praticamente de raiz, quer na frente de cais, quer no terrapleno de apoio. Foram adquiridos os meios necessários para a movimentação das cargas e instalados os feixes ferroviários para levar as cargas até quase aos navios.

Em comunicado emitido a propósito, citado pelo “Notícias” de Maputo, a empresa pública Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM), proprietária do terminal, informou que a operação do terminal será da responsabilidade da Cornelder Moçambique.

Nos termos do contrato de operação, indica o comunicado, a Cornelder poderá, por sua vez, contar com parcerias de terceiros que tenham experiência na operação de carga a granel, de forma a garantir uma óptima utilização da capacidade disponível no terminal.

O terminal de carvão do porto da Beira faz parte dos investimentos realizados pelos CFM no âmbito da reconstrução da linha de caminho de ferro do Sena, considerada como um corredor fundamental para o escoamento de carvão e de outros bens e produtos ao longo do vale do Zambeze.

A capacidade do terminal está alocada às duas companhias mineiras, na proporção de 68% para a Vale e de 32% para a Rio Tinto.

Os comentários estão encerrados.