O movimento de mercadorias no porto de Roterdão, o maior da Europa, recuou 1,9%, em termos homólogos, nos primeiros nove meses do ano, anunciou a autoridade portuária.

Port of Rotterdam

O resultado acumulado entre Janeiro e Setembro contrasta com o crescimento de 5,4% verificado no mesmo período de 2015. Ainda assim, o CEO do porto holandês, citado num comunicado de imprensa, diz acreditar ser possível fechar o ano em linha com o recorde de 466 milhões de toneladas registado no ano transacto.

O movimento de contentores recuou 0,9% para 9,3 milhões de TEU, enquanto a carga contentorizada cedeu 1,2% até aos 94,8 milhões de toneladas. Contudo, depois de ter caído nos primeiros cinco meses do ano a actividade está em crescendo desde Junho.

O fim da Hanjin representou para Roterdão a perda imediata de cerca de 30 mil TEU, mas o abalo será passageiro com outros operadores a assumirem aqueles tráfegos. Positivas são também as perspectivas resultantes dos novos schedules das alianças e os desenvolvimentos em Maasvlakte II.

O movimento de granéis sólidos foi o mais castigado nos três primeiros trimestres. Caiu 7,8% para 60,3 milhões de toneladas, sobretudo por causa da quebra nas descargas de carvão e minério de ferro.

A movimentação de granéis líquidos cedeu 0,4% para 160 milhões de toneladas.

 

Os comentários estão encerrados.