O presidente da Câmara do Porto revelou hoje a intenção de concessionar os serviços de transporte turístico, nomeadamente os autocarros. Falta encontrar a lei que o permita.

“Estes operadores não pagam um tostão à autarquia, andam como querem, à velocidade que querem, fazem os percursos que querem e param onde querem. A nossa vontade expressa é regular essa actividade”, frisou Rui Moreira, na reunião pública do Executivo camarário.

O debate em torno do assunto surgiu devido à contestação de uma vereadora do PSD às alterações de trânsito na Foz, levando o autarca a alertar que os problemas colocados pelos autocarros turísticos se colocavam em toda a cidade e que a Câmara tinha “por intenção concessionar” aqueles serviços.

“Há três operadores desses veículos o que, numa cidade da dimensão do Porto, na nossa opinião, não se justifica”, vincou Rui Moreira, esclarecendo que “o maior problema” de estacionamento indevido daquelas viaturas se situa na zona da Batalha.

O autarca acrescentou que o caso se replica na avenida dos Aliados, “na entrada para a rua de Ceuta, onde há um problema permanente com esses veículos”.

Fonte camarária esclareceu à “Lusa” que, para levar a cabo a intenção da maioria, será necessário “procurar um instrumento legal para concessionar” os serviços dos operadores turísticos.

Os autocarros turísticos da Invicta são operados pela Carristur (autocarros amarelos), pelo Grupo Douro Azul (autocarros azuis) e pela Douro Acima (autocarros vermelhos).

 

Os comentários estão encerrados.