O movimento de mercadorias nos portos espanhóis nos primeiros cinco meses do ano atingiu os 227 milhões de toneladas, mais 6,7% que no período homólogo de 2017.

O movimento de mercadorias nos portos espanhóis nos primeiros cinco meses do ano atingiu os 227 milhões de toneladas

Segundo os dados divulgados pela Puertos del Estado, os portos espanhóis movimentaram até Maio mais 14,3 milhões de toneladas, com a carga contentorizada a liderar a tendência de alta.

A carga contentorizada cresceu 8,3%, correspondentes a 6,1 milhões de toneladas, e atingiu no final de Maio os 78,9 milhões de toneladas.

Os granéis líquidos acumularam 75 milhões de toneladas (mais 5,1%), os granéis sólidos 41,4 milhões de toneladas (mais 7%) e a carga geral fraccionada 31,6 milhões de toneladas (mais 6,5%).

Barcelona cresce mais

Entre os principais portos espanhóis, Barcelona continua a revelar maior pujança, com um crescimento acumulado de 16,5% entre Janeiro e Maio e um total de 27,3 milhões de toneladas.

O porto da cidade condal está, assim, cada vez mais perto de Valência, o segundo porto do ranking, que no período em análise avançou 2% e atingiu os 30,9 milhões de toneladas.

No topo mantém-se Algeciras, com 43,5 milhões de toneladas processadas, um ganho homólogo de 10,5%.

O porto de Motril foi, de entre todos os portos espanhóis, o que mais cresceu em termos relativos até Maio: 32% para 1,3 milhões de toneladas.

… também nos contentores

Nos primeiros cinco meses de 2018 os portos espanhóis processaram 6,95 milhões de TEU, o que fica 9,2% acima do realizado no mesmo período de 2017.

Barcelona continua a ganhar quota de mercado, tendo avançado 16,6% e movimentado 1,3 milhões de TEU.

Neste “campeonato” Valência continua a ser líder, ainda que por escassa margem: movimentou 2,1 milhões de TEU (mais 5,1%), enquanto Algeciras contou 1,95 milhões de TEU (mais 7,6%).

Las Palmas, o quarto porto espanhol neste mercado, estava a crescer 11,9% no final de Maio, com 484,5 mil TEU.

 

This article has 1 comment

  1. luís pereira

    Este crescimento dos puertos espanóis é feito á custa da quebra dos portos portugueses por culpa única e exclusiva da geringonça na pessoa da ministra do mar, Ana Paula Vitorino, que ao fim 3 anos ainda não fez a renegociação das 3 concessões portuárias 1) Sines, 2) Lisboa & Setúbal e 3) Leixões & Aveiro, enquanto os nuestros hermanos já renegociaram todas a saber : 1) Algeciras, 2) Valência e 3) Barcelona, 1 grande vergonha para a geringonça das esquerdas que só mete muita água !