Os portos espanhóis vão investir 107,8 milhões de euros nas acessibilidades ferroviárias até ao final do próximo ano.

As 28 autoridades portuárias de Espanha vão destinar mais de 64% dos 167,7 milhões de euros do investimento total planeado até ao final de 2020 para a melhoria dos acessibilidades ferroviárias.

O dinheiro destinado à ferrovia será garantido pelo Fundo Financeiro de Acessibilidade Terrestre Portuária (FFATP), com uma dotação de 116 milhões de euros, com a ferrovia a absorver 93%. Serão 59,5 milhões para ligações “last mile”, 34,3 milhões para melhorar a rede geral existente e 22,1 milhões de euros para a criação ou melhoria de terminais ferroviários.

Além dos fundos do FFATP, os portos espanhóis terão ainda à disposição o Fundo de Compensação Interportuário (FCI) e o Fundo Ports 4.0.

O FCI distribuirá 46,1 milhões de euros. Desse volume, 7,6 milhões de euros serão destinados a auxílios à navegação, 13,5 milhões aos portos mais afectados pela insularidade, isolamento especial e ultra-periferia (e com baixa rentabilidade) e 1,4 milhões serão aplicados em segurança. Quanto aos restantes 23,4 milhões, serão distribuídos por várias autoridades portuárias para financiarem diferentes acções.

O Fundo Ports 4.0, destinado a startups e spin-offs, prevê 5,6 milhões para o próximo ano. A dotação é a primeira fase de um volume total de cerca de 25 milhões de euros (fundos aportados directamente pelas autoridades portuárias, divididos em quatro anuidades, sendo 2020 a primeira), gerido em 14 locais de Espanha.

 

This article has 1 comment

  1. Por culpa única e exclusiva de António Costa os portos portugueses a começar pelo terminal Alcântara de Lisboa continuam com as piores acessibilidades aos terminais. Acresce o facto de precisarem de ser feitas dragagens que deviam ter sido feitas quando Ana Paula Vitorino era a Sec. Estado do ministro “Jamais” Silva de Sócrates, 1 vergonha ! Andamos sempre atrasados 10 anos com PS, no mínimo, e claro somos 4o país que menos cresce na UE e o 4o pais com maior carga fiscal UE, 2 vergonhas