O transporte ferroviário de mercadorias na Península Ibérica será um dos temas fortes do Seminário de Transporte Ferroviário promove no próximo dia 30, no Porto.

O encontro acontecerá poucos dias depois de o governo espanhol ter anunciado um novo plano de investimentos para reforçar a utilização da ferrovia no transporte de mercadorias, e enquanto por cá se aguarda que o Executivo decida, e anuncie, a recalendarização dos investimentos da CP e da Refer.

Apesar da crise, ou em parte por causa dela, certo é que o transporte ferroviário de mercadorias na Península Ibérica está a “mexer”, com o surgimento de players privados, o dinamismo dos operadores privados e a maior exigência dos carregadores.

Para debater o presente e mais ainda o futuro do transporte ferroviário de mercadorias na Península Ibérica, e nas relações com o resto da Europa, o TRANSPORTES & NEGÓCIOS reúne no Porto representantes de alguns dos principais stakeholders do sector dos dois lados da fronteira.

Participarão no debate o presidente do Conselho de Administração da CP Carga, José Rocha Soares, o director-geral da Ibercargo Rail, Guillermo Garcia, o director da Feteia, Francisco Ferrer, e o presidente da Direcção Nacional da Antram, António Mousinho. Ou seja: operadores: um português e outro ibérico, um público e outro privado; e clientes: espanhóis e portugueses, transitários e transportadores rodoviários de mercadorias.

Esta será a 12.ª edição do Seminário de Transporte Ferroviário promovido pelo TRANSPORTES & NEGÓCIOS, que assim se confirma como o meio de comunicação social (para não dizer mais) a organizar um evento anual, ininterruptamente, há tanto tempo, dedicado ao transporte ferroviário, e em particular às mercadorias.

O Seminário decorrerá, como já é hábito, no Hotel Tiara, no Porto, durante todo o dia 30. O programa completo está disponível em www.transportesenegocios.com, onde também pode ser feita a inscrição (os assinantes do TRANSPORTES & NEGÓCIOS beneficiam de condições especiais).

A sessão deste ano será patrocinada pela CP Carga e Ibercargo Rail e apoiada pelo Metro do Porto, Metro de Lisboa, Grupo Barraqueiro e Grupo Transdev.

Os comentários estão encerrados.