Nos primeiros seis meses do ano, os construtores instalados em Portugal produziram 29 339 veículos comerciais de mercadorias, que comparam com os 26 038 de há um ano (mais 12,7%).

A produção de comerciais ligeiros avançou 11,4% em termos homólogos, chegando às 26 551 unidades. Pesados de mercadorias construíram-se 2 828, mais 26,3%.

Entre as marcas de comerciais ligeiros, a Citroën representou mais de metade (52,1%) da produção nacional, com um total de 13 807 veículos (mais 15%), enquanto a “irmã” Peugeot garantiu outros 39,8%, com 10 564 unidades (mais 13,2%). A Mitusbishi continuou terceira, com 6% do total nacional, ou 1 076 veículos (menos 24%), à frente da Toyota, com 3,3% do mercado (884, mais 2,7%) e da Isuzu, com 0,7% (180, menos 3,2%).

Nos pesados, domina a Mitsubishi, com uma posição de 70,5%, correspondente a 1 993 veículos produzidos (mais 13,4% que na primeira metade de 2011). A Isuzu mais do que duplica a sua produção, para 805 unidades (28,5% de quota de mercado). E a Toyota recua 62,5% para 30 camiões, equivalentes a 1,1% do mercado.

Dos 26 551 comerciais ligeiros fabricados em Portugal até Junho 25 049 destinaram-se à exportação, e o mesmo aconteceu com 2 739 dos 2 828 pesados de mercadorias.

Em Junho, a produção de comerciais ligeiros recuou 9,7%, ficando-se pelos 3 377 veículos, enquanto o fabrico de camiões ainda avançou 6,1% para os 419.

Comments are closed.