Os europeus terão de esperar até 2017/8 para poderem utilizar o Galileu, o sistema de navegação por satélite destinado a acabar com a hegemonia do GPS.

Afinal, já não será m 2014 que a Europa disporá do seu próprio sistema de navegação por satélite, deixando assim de depender da tecnologia norte-americana. Documentos da Comissão Europeia, citados pelo “FT Deutschland” já apontam para 2017-18 como a nova data para o início da operação.

Mas essa não é a única má notícia. Os custos extra do projecto deverão atingir os 1,5 a 1,7 mil milhões de euros. E a operação do sistema será deficitária durante muitos anos, gerando perdas anuais estimadas em 750 milhões de euros.

No ano passado, o Tribunal de Contas Europeu criticou duramente a forma como o projecto Galileu tinha sido preparado e estava a ser concebido. Em Janeiro, a Comissão Europeia prometeu o Galileu para 2014, mas tudo indica que os problemas subsistem.

O sistema europeu de navegação por satélite promete ser mais preciso que o GPS norte-americano, reduzindo a margem de erro para apenas um metro (actualmente é de dez metros). O Galileu promete também uma cobertura global e serviços suplementares, pagos, para os clientes comerciais.

O facto é que o projecto deverá custar uns 20 mil milhões de euros aos cofres europeus, ao longo dos próximos 20 anos, em desenvolvimento, construção e operação. O custo original anunciado ficava-se pelos 3,4 mil milhões de euros.

A confirmar-se a data de 2017/8, o Galileu será lançado dez anos mais tarde do que o inicialmente previsto. Enquanto isso, a Rússia está a trabalhar no seu próprio sistema (o Glonass) e o mesmo está a fazer a R.P. China.

Os comentários estão encerrados.