O processo  de prolongamento do quebra-mar de Leixões vai prosseguir, enquanto um grupo de trabalho tratará de mitigar os possíveis efeitos negativos da obra, apurou o TRANSPORTES & NEGÓCIOS.

 

A decisão saiu da reunião que ontem juntou, na APDL, a ministra do Mar, a presidente da APDL, os presidentes das câmaras municipais do Porto e de Matosinhos, membros das duas vereações, o vice-presidente da Agência Portuguesa do Ambiente e o presidente da Comunidade Portuária de Leixões, entre outros.

A iniciativa do encontro partiu da própria Ana Paula Vitorino, em resposta às críticas do Moviment0 que apoia o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, aos impactos negativos do prolongamento em 300 metros do quebra-mar de Leixões, no âmbito da melhoria das acessibilidades marítimas ao porto nortenho e da futura construção do novo terminal de contentores de -14 metros.

Ao que o TRANSPORTES & NEGÓCIOS apurou, a ministra do Mar insistiu na importância do desenvolvimento do porto de Leixões para a economia nacional e na disponibilidade do ministério para avaliar e minorar os efeitos secundários das obras, na qualidade das águas, das praias e das actividades económicas e lúdicas que usufruem do mar na zona envolvente do porto.

Sem surpresa, os autarcas do Porto e Matosinhos subscreveram a importância de Leixões, mas insistiram na necessidade de acautelar os impactos negativos em termos ambientais e económicos.

Da discussão “construtiva” que se prolongou saiu, então, a decisão de manter o processo em curso – tal como publicamente defendeu a Comunidade Portuária -, com a garantia de a APDL ir dinamizar um grupo de trabalho técnico para avaliar as intervenções necessárias para melhorar o projecto e reduzir as suas consequências negativas.

Recorde-se que aquando da recente apresentação da obra das acessibilidades marítimas, no Terminal de Cruzeiros de Leixões, a ministra Ana Paula Vitorino disse haver cinco milhões de euros para mitigar os efeitos negativos.

Uma curiosidade: o projecto do novo terminal de contentores de Leixões e da melhoria das acessibilidades marítimas vem já do tempo em que o presidente da Comunidade Portuária de Leixões era… Rui Moreira.

 

Este artigo tem1 comentário

  1. luís pereira

    Parabéns Leixões, Porto e Norte a expansão do porto, por culpa única exclusiva da ministra do mar Ana Paula Vitorino está atrasada 10 anos, vamos recuperar tempo perdido de que se aproveitaram imenso os espanhóis NUESTROS HERMANOS especialmente na Galiza !

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*