Apesar da quebra de 3,5% no tráfego de mercadorias no país vizinho, a holding Puertos del Estado aumentou em 22% os seus resultados líquidos para a casa dos 269 milhões de euros.

O volume de negócios daquela entidade pública espanhola atingiu os 1 028 milhões de euros, tendo os resultados operacionais chegado aos 574 milhões de euros (mais 26% em termos homólogos).

O aumento das receitas e dos resultados foi justificado por José Llorca, presidente da holding, com as subidas das exportações e das rendas de ocupação dominial, a par dos cortes nos custos.

Perante os membros da Comissão de Fomento do Congresso espanhol, José Llorca sublinhou a situação financeira equilibrada da holding e de todos e cada um dos portos da rede espanhola, destacando que apenas dois – Villargarcia e Melilla – não geram ainda resultados positivos e, logo, recorrem ainda ao fundo de compensação interportuário.

O presidente da Puertos del Estado referiu igualmente que a generalidade dos portos já fez os investimentos públicos em infra-estruturas necessários para os próximos 25 anos, cabendo agora aos privados fazerem a sua parte.

Ao longo do ano findo, a holding espanhola reduziu em 140 milhões de euros o seu endividamento bancário, que passou a ser de 2 450 milhões de euros.

Com o conforto da melhoria dos resultados e face à quebra na movimentação de cargas, José Llorca admitiu novas descidas das taxas portuária no futuro porque, referiu, “não podemos permitir que uma parte muito importante dos nossos tráfegos portuários se perca de forma irreversível”.

Comments are closed.