Além da Qatar Airways, também a Lufthansa e o IAG estarão interessadas na eventual privatização da TAP.

O Qatar, através da Qatar Airways, estará disponível e interessado em tomar uma posição de 40% no capital social da TAP, no âmbito do processo de privatização da companhia aérea nacional.

A “SIC”, que avançou a notícia, disse que o negócio terá sido conversado aquando da recente visita à região, de José Sócrates e dos ministros das Finanças e dos Transportes. A emissora adiantou mesmo que a primeira fase da operação de privatização poderia ser anunciada nos próximos dias.

O Governo aposta em privatizar a TAP, e Fernando Pinto, que lidera a companhia, já disse que é chegado o momento para avançar.

Os petrodólares poderão ser um forte argumento a favor da Qatar Airways, mas haverá que contar também com o possível interesse da Lufthansa e do IAG (o grupo criado com a fusão da British Airways e da Ibéria).

A Lufthansa é sempre referida quando se fala na privatização da TAP. Porque lidera a Star Alliance, porque tem seguido uma política de compra de players europeus de menor dimensão, e porque a TAP tem uma forte presença no Brasil e em África.

Da parte do IAG, os seus líderes deixaram claro desde a primeira hora que pretendem crescer por aquisições, e a TAP será uma das companhias que integra a lista de activos que estarão a ser seguidos. Mas o IAG, através da British Airways, lidera a Oneworld, e não é comum a “transferência” de companhias de umas alianças para outras.

Os comentários estão encerrados.