Entre Janeiro e Setembro, os portos do Continente processaram 2,3 milhões de TEU. Os movimentos de transhipment representaram 1,1 milhões de TEU, divulgou hoje a AMT.

Porto de Lisboa

O resultado acumulado nos primeiros nove meses do ano representa um crescimento homólogo de 16% e um novo máximo para o período.

Sines continua, de muito longe, a dominar o mercado, com uma de quota de mais de 57%, correspondente a 1,3 milhões de TEU (mais 22,7% em termos homólogos). A entidade reguladora destaca a propósito a importância dos movimentos de transhipment, que representam 80% dos números do porto alentejano.

A crescer, e muito, continua o porto de Lisboa. No final de Setembro somava 373,8 mil TEU, mais 38,5% do que há um ano.

Ao invés, em Leixões verificou-se uma quebra homóloga de 5,5%, com um total acumulado de 472 mil TEU.

O porto de Setúbal movimentou em nove meses 116,5 mil TEU (menos 3,4% em termos homólogos) e a Figueira da Foz 18 mil TEU (mais 2,6%).

Em Setembro, a movimentação de contentores nos portos do Continente recuou 1,6%, para cerca de 219 mil TEU, devido essencialmente à quebra de 8,9% verificada em Sines (110 mil TEU), que a AMT desvaloriza. Leixões avançou 4,1% (53 mil TEU), Lisboa 14,8% (42 mil TEU) e Setúbal 3,1% (12 mil TEU). Na Figueira da Foz contaram-se 1 838 TEU (menos 24,9%).

 

Os comentários estão encerrados.