A Conferência das Regiões Periféricas Marítimas da Europa (CRPME) critica a decisão do governo espanhol de rejeitar a proposta do governo das Astúrias de candidatar ao CEF um mecanismo de ecobono para apoiar a AEM Gijon-Nantes.

Na sua última reunião, o Bureau Político da CRPME manifestou o apoio à criação do fundo que suportaria o pagamento do ecobono e aprovou uma emenda “destinada a mostrar a sua rejeição ao veto do Estado espanhol”, segundo o governo das Astúrias.

Recorde-se que Madrid rejeitou a proposta do governo autonómico para a criação de um fundo para co-financiar os sobrecustos da utilização da AEM Gijon-Nantes pelos transportadores rodoviários de mercadorias. O valor a atribuir seria de 300 euros/viagem.

A criação do fundo – com uma dotação de 16,8 milhões de euros, suportado pelos governos regional das Astúrias, nacional espanhol e pela Comissão Europeia – deveria ser candidata ao mecanismo CEF.

A emenda aprovada pela CRPM indica que as regiões “não devem ser afastadas dos processos decisórios de selecção dos projectos financiáveis”, pois “não são apenas pontos no mapa em que se aplica a política europeia de transportes, das redes transeuropeias de transporte e de AEM”.

A emenda conclui ainda que “não é aceitável que projectos apresentados por regiões em resposta a convocatórias” do mecanismo comunitário CEF – Connecting Europe Facility sejam bloqueados por ministérios nacionais de transportes. O documento vai agora ser enviado à Comissão e ao Parlamento europeus.

A Conferência das Regiões Periféricas Marítimas da Europa integra 160 regiões de 28 países.

Os comentários estão encerrados.