O governo britânico prepara a venda dos 30% da Royal Mail que detém desde a IPO de Outubro de 2013. O encaixe é para reduzir o défice público.

Royal Mail

A operação ainda não tem data marcada, mas o ministro das Finanças britânica dá-a como garantida, justificando ser o melhor para a empresa, para os trabalhadores e para os contribuintes.

A preços actuais, as acções representativas de 30% do capital dos Correios britânicos valem 1,5 mil milhões de libras esterlinas, 2,1 mil milhões de euros. Sensivelmente o dobro de há três anos. O ministro George Osborne deixou claro que é intenção do Executivo maximizar o encaixe, até porque o dinheiro se destinará a abater o défice público.

Foi em 2013 que o governo de Londres decidiu privatizar a Royal Mail. Na altura foram dispersos em Bolsa 60% do capital, acrescidos de 10% distribuídos pelos trabalhadores. O preço de venda de então foi considerado pelos críticos demasiado baixo.

A alienação dos Correios foi a maior operação de privatização britânica desde que o governo de John Major vendeu os caminhos-de-ferro, nos anos 90.

Os comentários estão encerrados.