A Renfe e a Adif duvidam da viabilidade da ligação Porto-Vigo em menos de três horas que a Arriva se propõe fazer a partir de 2020.

Renfe e Adif criticam planos da Arriva para o Porto-Vigo

A Comissão Nacional de Mercados e Concorrência (CNMC) espanhola deu “luz verde” à Arriva para lançar o serviço ferroviário de passageiros entre Vigo e Porto. Mas a Renfe e a Adif questionam os planos da operadora do grupo Deutsche Bahn.

Segundo o “Faro de Vigo”, a Renfe considera “pouco plausível” que a Arriva consiga melhores tempos de trânsito do que os actuais, ou dos que ela própria poderá oferecer com a melhoria da infra-estrutura (no caso, no A Coruña-Vigo).

Já a Adif sustenta que “a estimativa da Arriva é excessivamente optimista e impossível na prática”, porque não considera, nem as velocidades possíveis nos diferentes troços, nem “a dinâmico do movimento dos comboios: aceleração, travagem, curvas, rampas…”.

A autoridade da Concorrência, por seu turno, concluiu que a capacidade disponível na infra-estrutura é suficiente para acomodar a nova oferta (ainda que com alguns ajustes nos horários), e que a concorrência não colocará em risco a operação da Renfe.

A Arriva pretende começar a operar com seis viagens em cada sentido, aos dias de semana, para depois aumentar a frequência para oito partidas. Aos fins de semana haverá quatro.

O comboio internacional sairá do Porto  e fará paragens em Nine, Viana do Castelo e Valença, em território português, e em Vigo, Pontevedra, Vilagarcia, Santiago de Compostela e A Coruña, na Galiza.

O serviço deverá arrancar apenas em 2020, além do mais porque a Arriva espera pela conclusão da modernização da linha. O que deverá acontecer do lado português, mas não é certo do lado de lá do rio Minho.

Por definir está ainda o tipo de material circulante a utilizar. Se comboios novos, se comboios alugados à Renfe, ou se material circulante adaptado de outros mercados.

Actualmente, a ligação Porto-Vigo é assegurada, uma vez por dia, pelo comboio Celta, operado conjuntamente pela CP e pela Renfe.

 

 

Tags:

Comments are closed.