O Porto de Roterdão está a investir em “machine learning” e Inteligência Artificial para prever e agilizar as escalas de navios.

A solução está disponível através da aplicação Pronto. No presente, quase metade das companhias de navegação, agentes, operadores de terminais e outros prestadores de serviços no porto de Roterdão usam o sistema para planear, implementar e monitorizar as suas actividades durante as escalas.

“Vários factores influenciam a hora de chegada de um navio”, lembra, em comunicado, Arjen Leege, da Autoridade do Porto de Roterdão (APR). “Isto inclui o tipo de embarcação e o tipo de carga, bem como a localização, rota, velocidade de navegação e movimentos de outras embarcações nas proximidades. Mapeámos os parâmetros mais cruciais. Durante esse processo descartamos uns parâmetros e adicionamos novos. Por exemplo, constatou-se que o número de vezes que um navio já entrou no porto de Roterdão também é relevante”, indica o especialista.

Os técnicos do Porto de Roterdão usaram os parâmetros para desenvolver um modelo de computador de auto-aprendizagem.

Inicialmente, o sistema foi alimentado com cerca de 12 000 itens de dados históricos. As fontes incluíram as bases de dados AIS e da APR. O computador reconheceu padrões nesses dados e aprendeu a prever de quanto tempo uma embarcação precisa para chegar ao cais de atracação.

“Esse é realmente o poder da Inteligência Artificial. A capacidade preditiva de um computador aumenta quando este é alimentado de forma contínua com dados actualizados. Agora podemos prever com uma precisão de 20 minutos quando as embarcações que escalam Roterdão chegam ao cais de atracação. O computador também pode olhar mais para o futuro e calcular os tempos de chegada de navios que ainda estão a sete dias de distância do porto. Olhando mais à frente, finalmente poderemos prever a rota inteira de uma embarcação. Talvez até com 30 dias de antecedência, incluindo vários portos”, prevê Arjen Leege.

 

Comments are closed.