O SEAL está disponível para reunir com os operadores portuários para ultrapassar o conflito laboral no porto de Setúbal. ANESUL e Operestiva pedem o fim da greve.

SEAL disponível para negociar com a ANESUL

“Face ao actual ponto de situação nos diversos portos nacionais, a Direcção do SEAL, reunida hoje, dia 20 de Novembro de 2018, acaba de propor às associações que representam as empresas portuárias de Setúbal o agendamento de reuniões, para o que avança com as datas de 23, 29 e 30 do corrente mês”, refere a carta
do SEAL enviada à ANESUL (Associação dos Agentes de Navegação e Empresas Operadoras Portuárias).

Na missiva, a que o TRANSPORTES & NEGÓCIOS teve acesso, o sindicato dos estivadores avança que as reuniões visarão discutir um “Contrato Colectivo de Trabalho (CCT)” e “encontrar soluções para os diversos problemas que têm vindo a marcar a realidade laboral portuária”.

A sede da ANESUL é o local sugerido para a realização dos encontros.

O porto de Setúbal está praticamente paralisado desde o passado dia 5, em consequência da recusa dos estivadores eventuais em prestarem serviço, mormente nos terminais de contentores e ro-ro. A situação tem prejudicado em particular a exportação dos veículos produzidos na Autoeuropa.

Operestiva pede fim da greve

A missiva do SEAL não refere, porém, a suspensão dos protestos dos estivadores, condição imposta à partida pela ANESUL para retomar as negociações, e agora reafirmada pela Operestiva.

Com efeito, na semana passada a ANESUL garantiu que “sempre esteve disponível para assinar um novo Contrato Colectivo de Trabalho, face à caducidade do anterior”, mas adiantou também que as negociações com o sindicato só seriam retomadas após o fim da greve dos trabalhadores portuários.

A ANESUL lembrou ainda que foram realizadas mais de 13 reuniões para um novo Contrato Colectivo, em 2017 e 2018, com uma longa interrupção entre 21 de Setembro de 2017 e 12 de Junho de 2018, e interrupção definitiva, por parte do sindicato, desde 12 de Julho de 2018.

Hoje, depois de ser conhecida a iniciativa do SEAL, a Operestiva, empresa de trabalho portuária controlada pela Yilport, congratulou-se “com a comunicação escrita recebida hoje na ANESUL (a Associação que a Operestiva integra), do sindicato SEAL”, lembrando os apelos feitos por si nesse sentido nos últimos dias.

Contudo, a Operestiva sustenta que “como é prática no Porto de Setúbal, foi requerido ao Sindicato SEAL que as negociações prossigam tal e qual como no momento em que foram interrompidas pelo próprio Sindicato, ou seja, sem greve e sem paralisação por parte dos trabalhadores eventuais”.

A empresa de trabalho portuário conclui dizendo-se esperançada em que “com a actual Direcção do Sindicato SEAL seja possível obter soluções que permitam estabilidade e o retorno das cargas e linhas perdidas nos últimos meses, maioritariamente para Espanha”.

 

Os comentários estão encerrados.