Em causa estão a EGL, a Kuehne + Nagel, a Geologistics International Management (Bermuda), a Panalpina World Transport, a Schenker AG e a BAX Global Inc.

Depois das companhias aéreas é a vez de operadores logísticos se darem como culpados da concertação de preços na carga aérea nos EUA.

Seis operadores logísticos internacionais – EGL, Kuehne+Nagel, Geologistics, Panalpina, Schenker e BAX Global – deram-se como culpados de terem concertado as sobretaxas cobradas aos clientes nos envios internacionais, entre 2002 e 2007.

Com o acordo, os transitários aceitaram pagar multas que totalizam 50,3 milhões de dólares. A Kuehne + Nagel, por si, pagará 9,8 milhões de dólares, anunciou em comunicado.

A violação da Lei Sherman pode implicar a aplicação de multas de até 100 milhões de dólares por empresa.

A investigação às alegadas práticas monopolistas das companhias transitárias na carga aérea iniciou-se em 2007.

Estas são as primeiras consequências práticas da investigação. Mas os analistas do mercado avançam que poderá haver mais processos, já que, para além do inquérito continuar aberto, as empresas agora multadas concordaram em colaborar com a investigação.

Comments are closed.