O secretário de Estado dos Transportes aproveitou a inauguração da base da easyJet no Porto para criticar aqueles que, em 2012, contestaram, a Norte, a privatização em bloco da ANA.

Aeroporto do Porto

“Aqui estamos hoje [ontem], no Porto, para afirmar que o Porto continua tão central como estava antes na estratégia que a ANA segue, agora sob o controlo e a orientação de um accionista privado”, frisou Sérgio Monteiro.

O governante fez questão de recordar “a discussão que então, em 2012, se fazia sobre se o aeroporto do Porto se devia ou não separar do grupo de aeroportos a privatizar”, lembrando ainda as vozes para quem uma “privatização em conjunto levaria a um retrocesso na [sua] importância”.

“O Estado não se afastou nem desta região nem desta infraestrutura. Aprovou para ela um plano estratégico [e] investimentos que a colocarão no centro da estratégia das companhias aéreas”, frisou.

O secretário de Estado destacou ainda o “modelo de regulação económica” com o qual “o crescimento das taxas em Lisboa subsidia o congelamento das taxas no Porto, fazendo com que o Porto se torne mais competitivo e, desta forma, continue a consolidar a sua posição, não apenas do ponto de vista nacional, como no noroeste peninsular e em toda a Europa”.

“É uma pena que as vozes que tantas vezes se ouvem aqui no Norte criticar o centralismo dos governos relativamente a outras decisões, não tenham uma palavra para uma infraestrutura que continua central num plano de privatizações que, ao contrário daquilo que admitiam, não pôs o Porto para trás, pôs o Porto no centro da sua estratégia”, realçou.

Durante o ano de 2012 foram várias as vozes contra a privatização do aeroporto do Porto em conjunto no âmbito do processo da ANA – Aeroportos de Portugal, com a Associação Comercial do Porto (ACP), então liderada pelo actual presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, a defender uma privatização em separado. Rui Moreira, afirmou então à “Lusa” que o Aeroporto Francisco Sá Carneiro teria muito a ganhar com a venda separada a um operador internacional.

 

 

Os comentários estão encerrados.