O Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Almada vai voltar a analisar a providência cautelar do Clube da Arrábida a pedir a suspensão das dragagens no estuário do Sado.

Ambientalistas contestam dragagens no porto de Setúbal

“O Clube da Arrábida foi notificado na quarta-feira, pelo Tribunal Central Administrativo (TCA), sobre a decisão deste tribunal de ter dado provimento parcial ao recurso que esta associação interpôs, junto do Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada (TAF), no passado dia 5 de Março de 2019”, refere um comunicado do Clube da Arrábida enviado à “Lusa”. Em causa. a providência cautelar para suspensão do contrato relativo à melhoria das acessibilidade marítimas ao porto de Setúbal.

Segundo a nota, o TCA considerou que o TAF (primeira instância) “devia analisar novamente o pedido de suspensão da execução do contrato entre a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS) e a Mota Engil, S. A, já que tudo indica que há uma forte probabilidade de existir ilegalidade do mesmo, e, portanto,
deve o TAF reanalisar esta matéria relativa ao contrato”.

A associação ambientalista tinha apresentado no dia 5 de Março recurso da sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada que indeferiu, em 17 de Fevereiro, os pedidos de providência cautelar apresentados por este organismo.

Estes pedidos foram entregues em Setembro do ano passado com o objectivo de suspender a Declaração de Impacte Ambiental (DIA) e a execução do contrato para as dragagens no estuário do Sado.

Para o Clube da Arrábida, “a empreitada das obras de melhoria das acessibilidades do porto de Setúbal constitui o maior atentado ambiental alguma vez perpetuado no rio Sado”.

O Clube da Arrábida considera, por isso, que a decisão do TCA representa “uma enorme vitória” e promete continuar a lutar por todas as vias legais contra o que considera ser um “atentado ambiental” que resulta de “um processo turvo e inquinado que nunca deveria ter acontecido”.

Comments are closed.