O presidente do sindicato de motoristas de matérias perigosas garante que o sector é contra a greve, mas que, sem outra opção, tiveram de recorrer à "bomba atómica . . .

***Este conteúdo está disponível apenas para assinantes do TRANSPORTES & NEGÓCIOS! Se ainda não é assinante clique AQUI para selecionar a assinatura que mais se adequa às suas necessidades! Caso já faça parte da comunidade T&N clique AQUI para fazer o login***