O presidente do sindicato de motoristas de matérias perigosas garante que o sector é contra a greve, mas que, sem outra opção, tiveram de recorrer à "bomba atómica . . .

 

*** CONTEÚDO DE ACESSO RESERVADO. FAÇA LOGIN OU TORNE-SE ASSINANTE T&N ***