O Sindicato XXI assume a ruptura das negociações com a PSA Sines/Laborsines e anuncia nova greve, para vigorar entre 12 e 24 de Agosto.

Se há cerca de um mês as coisas pareciam bem encaminhadas para a solução do conflito laboral entre a PSA Sines e os trabalhadores do Terminal XXI, agora o processo recuou de tal forma que o Sindicato XXI anunciou nova greve, agora para incidir nas últimas três horas de cada turno.

A decisão, tomada em plenário de trabalhadores de 31 de Maio mas só agora espoletada, prende-se ainda com o impasse na aprovação de propostas salariais apresentadas já em Novembro do ano passado, a que se juntaram outras razões de queixas, algumas delas bem antigas também.

Mais recente é a exigência da “reintegração dos 80 trabalhadores dispensados pela PSA/Laborsines nos meses de Junho e Julho”, refere o Sindicato XXI.

Greve já custou 774 mil toneladas

Sines sempre foi apresentado (a par de Leixões) como um exemplo de paz social nos portos nacionais. Dá-se mesmo o caso de em Sines o Terminal XXI integrar, desde 2013, a Comunidade Portuária local.

Porém, em Abril passado o sindicato que reúne os estivadores do Terminal XXI anunciou duas greves para durarem entre 2 de Maio e 5 de Outubro. Primeiro foram dias dias de greve total consecutivos, e depois, e ainda se mantém, tem sido a recusa à prestação de trabalho suplementar.

Consequência dessa crise laboral latente, disse-o a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), o porto alentejano perdeu 774 mil toneladas nos primeiros cinco meses do ano.

O novo anúncio de greve surge poucos dias depois de o Governo ter aprovado, em Conselho de Ministros, os termos da renegociação da concessão do Terminal XXI com a PSA Sines. Uma renegociação que terá (?) estado em risco em resultado, precisamente, do conflito laboral.

This article has 1 comment

  1. luís pereira

    Estes grevistas o que merecem é que o terminal XXI seja totalmente automatizado como em Roterdão e o mesmo seja feito no futuro terminal Vasco da Gama !!