Seis sindicatos de quatro países europeus – Bélgica, Dinamarca, Roménia e Suécia – criaram uma estrutura de cooperação coordenada pela Federação Europeia dos Trabalhadores dos Transportes (ETF). O objectivo é “lutar contra o dumping social e a escravidão moderna no transporte rodoviário”.

SONY DSC

Os parceiros criaram duas estruturas, ambas na Roménia. A primeira, localizada em Bucareste, ocupar-se-á dos contactos com os parceiros sociais e as instituições nacionais. A segunda é uma base operacional localizada na localidade de Targu Mures, “no centro de uma região que vê milhares de motoristas romenos deixarem o país para trabalharem no exterior”, indica o comunicado da ETF.

“Atravessando a Europa devido à necessidade de trabalharem, os motoristas enfrentam problemas de saúde, recebem ordens dos seus empregadores que, muitas vezes, entram em conflito com as restrições regulatórias, passam meses a viver e a trabalhar dentro dos camiões, enquanto são alvo de severos controlos e sanções. Esses motoristas não falam a língua e não têm ninguém para trocar de turnos. Através desta cooperação, os motoristas de camiões sindicalizados poderão ter acesso a assistência no local quando estiverem na Bélgica, Dinamarca ou na Suécia”, referem desde a ETF.

Além disso, o gabinete de cooperação ajudará os motoristas a fazerem valer os seus direitos de acesso à segurança social e, quando necessário, de assistência.

 

 

 

 

Comments are closed.