Portugal candidatou 30 projectos à primeira chamada do mecanismo de financiamento europeu CEF, num investimento total de 693 milhões de euros. Mas aposta tudo, ou quase, na ligação ferroviária para mercadorias entre Sines e Elvas: 512 milhões de euros.

Os 30 projectos candidatados abrangem todos os modos de transporte. Mas a ferrovia fica com a parte de leão: 525 milhões de euros. Dos quais, 512 milhões destinam-se à linha Sines-Elvas. A ligação Aveiro-Vilar Formoso receberá apenas 13 milhões de euros.

Em termos de prioridades, o Governo aposta na conclusão da linha de mercadorias que há-de ligar Sines à fronteira até Dezembro de 2020. Para o que conta com co-financiamento do CEF de 202 milhões de euros (50% dos custos dos estudos e projectos, 40% da obra).

No caso da ligação Aveiro-Vilar Formoso, o Executivo de Lisboa terá candidatado apenas a realização de estudos e projectos até à fase do estudo de impacte ambiental. E espera receber de Bruxelas 50% dos 13 milhões de euros que serão assim investidos.

Entre as candidaturas apresentadas por Portugal figuram também o desenvolvimento da Janela Única Logística e a criação de uma rede-piloto de abastecimento de GNL aos navios.

Candidatada terá sido também a realização dos estudos da plataforma logística multimodal do porto de Lisboa, que incluirá o anunciado terminal de contentores do Barreiro.

Os projectos candidatados figuravam já nas opções do PETI. Mas alguns que constavam daquele documento não eram elegíveis para o CEF e serão, por isso, candidatados ao abrigo do “plano Juncker” para o relançamento da economia europeia. É o caso da expansão do terminal de contentores Sul de Leixões, avaliada em 38 milhões de euros.

 

Os comentários estão encerrados.